PC investiga dupla execução na zona rural

Tablóide Pará
Foto do documento de Manoel Dourado.

O Departamento de Homicídios da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, tem mais um caso de duplo homicídio para ser investigado, tendo como vítimas os colonos  Manoel Dourado Magalhães, de 56 anos, natural de Poção de Pedra MA, e seu funcionário Antônio Ferreira Bastos, de 57 anos de idade, ambos encontrados mortos por volta das 17h00, desta segunda-feira, 19, em uma chácara onde moravam próximo a Vila Palmares II, a 22 quilômetros da centro de Parauapebas.

Os corpos das vítimas foram encontrados por uma enteada de Manoel Dourado, que reside na cidade e teria chegado na propriedade para levar a mãe dela e esposa dele, e alguns mantimentos. Momento que ao abrir a porta que estava entre aberta a mesma se deparou com Antônio e Manoel, mortos.

Instante em que acionou a Polícia Militar que realizaram o isolamento do local até a chegada da Polícia Civil e de peritos do Instituto Médico Legal – IML. Nos primeiros levantamentos de local de crime os investigadores observaram que as vítimas foram executadas no interior da casa com tiros na cabeça e estavam com as mãos amarradas.

Até o presente momento a polícia não tem informações da autoria do crime e nem tão pouco a motivação. Ainda segundo a polícia, na propriedade de 5 alqueires, cujo proprietário é Manoel Dourado Magalhães, existe um garimpo clandestino explorado pelas máquinas de Antônio Ferreira. A polícia também observou que o interior da residência estava revirada como se os assassinos procurassem por objetos de valores, no entanto não se sabe se os bandidos encontraram dinheiro ou ouro na casa.

Familiares de Manoel Dourado disse não ter conhecimento de nenhuma inimizade nem de ameaça sofrida por ele, sendo uma pessoa bem conhecida e com boas amizades. Quanto a Antonio Ferreira Bastos, não se sabe de sua vida pregressa, já que a relação com a família era apenas de negócios.

Na noite do dia 11 de agosto de 2020, na mesma região, e com os mesmos modos operantes dos criminosos, o casal Arlindo Setúbal e sua esposa Francisca Luciene Alves do Nascimento, também foram executados no interior da chácara em que moravam, na zona rural de Curionópolis.

Texto: Neide Folha.

Relacionadas